Cartaz

Em Cartaz

Em Cartaz

GITT

Dias a menos

RDT – Recreios Desportivos da Trafaria

Ficha Técnica:

Texto, encenação e cenografia: Carlos Amaral

Elenco: Beatriz Almeida, Carlos Amaral, Daniel Dionisio, Elsa Elias, Maria Sousa (Bia), Mila Mendes, Rute Magalhães, Rui Pedro (Ruca).

Produção e figurinos: GITT

Operação de Som: Jéssica Cristas

Sonoplastia: Paulo Nunes |

Desenho e Operação de Luz: Paulo Nunes

Design Gráfico e Fotografia: Paulo Nunes e Nélia Ramalho

Produção Executiva: GITT, Mila Bernardes

GITT

Dias a menos

RDT – Recreios Desportivos da Trafaria

Ficha Técnica:

Texto, encenação e cenografia: Carlos Amaral

Elenco: Beatriz Almeida, Carlos Amaral, Daniel Dionisio, Elsa Elias, Maria Sousa (Bia), Mila Mendes, Rute Magalhães, Rui Pedro (Ruca).

Produção e figurinos: GITT

Operação de Som: Jéssica Cristas

Sonoplastia: Paulo Nunes |

Desenho e Operação de Luz: Paulo Nunes

Design Gráfico e Fotografia: Paulo Nunes e Nélia Ramalho

Produção Executiva: GITT, Mila Bernardes

Dias a menos, agora levado à cena, apresenta o argumento teatral GITT baseada num romance diário. Personagens e reflexão que religam o ser humano a si mesmo, aos outros e à natureza. Solitário ou Dias a menos partilhado, o melhor de cada momento num teatro íntimo está na busca do domínio de si e do seu lugar no mundo. Trata os amores e desamores narrados no conta-gotas quotidiano. O ser humano busca a consciência do que o vai marcando, refletindo a vida social a partir dos problemas por ela colocados.
Cenicamente os livros integram o interior e o exterior do diarista desdobrado em multiplas vozes. Dia a menos tem o título da contagem subtrativa do tempo, mas também da amenidade do que se narra nessa viagem. Nesta jornada, através do diário, adquire-se consciência das escaramuças da relação amorosa nas etapas de envolvimento, paixão, marasmo e declínio. As ocorrências analisadas geram significados adicionais, no extremo, a experiência permite conceber uma sabedoria que resulta do prazer e do sofrimento, assemelhando-se às forças que movem o progresso e a mágoa do diarista. Inferindo-se ainda os traços filosóficos das experiências quotidianas a par da atividade docente do dito protagonista.

Dias a menos, agora levado à cena, apresenta o argumento teatral GITT baseada num romance diário. Personagens e reflexão que religam o ser humano a si mesmo, aos outros e à natureza. Solitário ou Dias a menos partilhado, o melhor de cada momento num teatro íntimo está na busca do domínio de si e do seu lugar no mundo. Trata os amores e desamores narrados no conta-gotas quotidiano. O ser humano busca a consciência do que o vai marcando, refletindo a vida social a partir dos problemas por ela colocados.
Cenicamente os livros integram o interior e o exterior do diarista desdobrado em multiplas vozes. Dia a menos tem o título da contagem subtrativa do tempo, mas também da amenidade do que se narra nessa viagem. Nesta jornada, através do diário, adquire-se consciência das escaramuças da relação amorosa nas etapas de envolvimento, paixão, marasmo e declínio. As ocorrências analisadas geram significados adicionais, no extremo, a experiência permite conceber uma sabedoria que resulta do prazer e do sofrimento, assemelhando-se às forças que movem o progresso e a mágoa do diarista. Inferindo-se ainda os traços filosóficos das experiências quotidianas a par da atividade docente do dito protagonista.